15/06/2008

Cadernos de Domingo:DPF - o primeiro mealheiro

No seguimento do nosso plano orçamental, falamos hoje das despesas periódicas fixas.
Há toda uma agenda anual de pagamentos que simplesmente "aparecem" na nossa vida.
Seguros (casa, carro, vida, saúde...)
Quotas (clubes, bombeiros, ginásios...)
Regresso às aulas (para quem tem pimpolhos em idade escolar)
Impostos (municipal para casas e carros...)
Esgotos (quem tem casa própria sabe como doem!)
entre outros

Eles de facto aparecem, mas não são inesperados! Logo são algo que simplesmente não se paga mensalmente e que no entanto sabemos que são certinhos.

Plano de acção: um calendário anual bem explicito onde são apontadas todas as DPF (valores aproximados contabilizados por cima, para permitir alguma margem)
Com esse calendário o que conseguimos? Uma boa visão global de quanto teremos que dispender nesse ano (atenção que normalmente as pessoas alienam-se um pouco destas despesas preferindo pensar nelas apenas quando aparecem), e a possibilidade de lidar com elas com antecipação e margem de manobra.
Vamos ao exemplo?

(este planeador foi criado por mim, está disponibilizado no gdocs?) http://spreadsheets.google.com/pub?key=pP1uvl35AtQdEM_-eCMSlVw


Entao esta "empresa" tem que considerar que no presente ano tem cerca de 1750€ para pagar em DPF, e verificando o calendário sabem em que meses esses pagamentos ocorrem.
Com este posicionamento à distancia, a gestora deverá calcular para cada despesa, uma prestação mensal que corresponda ao valor da despesa /nr de meses que restam até à data do pagamento.
ex: seguro casa - 500€ para pagar em Agosto
pensando que ainda estavamos em janeiro, deveriamos poder por de parte cada mês 62,50€ a titulo de anteciapação para o pagamento.
Como o faríamos? Temos uma conta bancária especifica para estas despesas e no inicio de cada mes é lá que temos que colocar estes montantes.
No entanto, o ideal é, no mês exactamente a seguir ao pagamento começar logo mais um mealheiro bancário para estas despesas!Assim podemos dividir o montante pelo nr. máximo de prestações possíveis.
Se num mês for mais dificil poupar o montante exacto devemos tentar no mês seguinte compensar.

Recapitulando,
Orçamentar.
Rendimentos vs Despesas (fixas mensais, fixas com outros períodos)
com o valor excto destes montantes, temos uma noção bem mais real do que nos espera a cada mês de facto.
E sabem qual é a melhor parte? Estamos a calcular sem contar com os 2 ordenados extra!!

Dentro do exemplo familiar que vem sido avançado, a familia ABC sabe que tem 1300€ disponíveis por mês, deve gastar cerca de 430€na casa e coisas por arrasto, contando com créditos extra e tem que contar com, no caso que vimos avançando, mais cerca de 150€ euros mensais para o mealheiro de despesas periodicas se pensar numa escala anual.
Restam-lhes neste momento: 720€.

Na próxima semana falaremos das despesas que se vêem, já tamos apertados!!

Be cheap!!

1 comentário:

Amendoinha disse...

Parabéns!
O artigo está muito bom, explícito e bem escrito.
Seria bom que a maioria do povo português o lesse e depois aplicasse os ensinamentos que dele se extraem.
Se assim o fizessem não estariam tão "enrascados*" como estão! Muita gente faz compras a crédito sem fazer contas ao que, na realidade entra na sua casa... é bom que se melhore a matemática e não me refiro apenas aos exames de matemática das escolas!!
Continuem o bom trabalho e as sujestões.
Bjs

*=endividados